Atvos


» Newsletter

» Tempo

» Entrevista


 

Entrevista com Antonio Carlos Zem


07/10/2012 às 17:25
Divulgação

A FMC é uma multinacional americana que atua globalmente em diversos segmentos, empregando cerca de 5 mil pessoas em 34 países. No Brasil, está sediada em Campinas. É no setor agrícola que ela tem mostrado vocação, com extensa linha de produtos para controle de pragas, plantas daninhas e doenças em culturas como algodão, arroz, batata, café, cana-de-açúcar, citros, milho, soja, entre outras. Em entrevista a Cana S.A. o presidente da FMC América Latina, Antonio Carlos Zem, fala sobre a liderança da empresa no setor sucroenergético, de desenvolvimento sustentável, de projetos como o Clube da Cana e do Giro Cana e da criação de uma embalagem ecológica, proveniente do etanol, para um produto voltado para o segmento.

 

Cana S.A. – - Qual a participação da FMC atualmente no setor sucroenergético?

Antonio Carlos Zem – A FMC é líder nesse mercado.

 

Cana S.A. – Como o senhor analisa o expressivo crescimento registrado pelo setor nos últimos anos. Esse desenvolvimento vem ocorrendo de maneira sustentável? 

Antonio Carlos Zem – Acredito que para que seja possível o crescimento de maneira sustentável devemos ampliar áreas e, mais do que isso, o maior desafio do setor é crescer em produtividade, melhorar expressivamente a produção dos canaviais. Há ainda um enorme potencial a ser explorado no Brasil, que deve permitir um aumento significativo na produção nacional.A redução de perdas, preocupação em questões ambientais - como aproveitamento de resíduos e atenção aos nematóides (minúsculos organismos encontrados em diversos ecossistemas) - deve estar em pauta nos próximos anos, para potencializar a produção e reduzir as ineficiências. Há necessidade de aprimoramento de processos industriais no que se refere à energia e trabalho, com uma ampla visão de mercado. A FMC investe em pesquisas para aprimorar a tecnologia, com respaldo em ações orientadas para a prática da agricultura responsável. Vamos apresentar ao menos dois novos produtos por ano nos próximos cinco anos. Lançamos também, no Clube da Cana, o projeto “Usina de resultados,” cujo objetivo é justamente promover a discussão do aumento da produtividade do canavial. A equipe da FMC está fortemente envolvida nesse projeto, temos muitos recursos disponíveis para fazer essa melhoria no campo e estar lado a lado com nossos clientes no que realmente importa a eles.

 

Cana S.A. – A empresa estuda ampliar seu portfólio de produtos para o setor?

Antonio Carlos Zem – A FMC é líder de vendas na cultura de cana-de-açúcar e nosso objetivo é manter esse posto. Para isso, investimos na constante atualização de portfólio, com foco nas principais necessidades para aumento de produtividade e rentabilidade, levando em consideração o que as usinas nos apontam. Além disso, a FMC prima pelo relacionamento com seus clientes; estamos sempre atentos a eles.

 

Cana S.A. – A realização do Clube da Cana é uma demonstração de como a FMC está intimamente ligada ao setor? Já existe uma definição de onde deve ser realizada a edição deste ano?

Antonio Carlos Zem – Direcionamos nossos esforços para conhecer a fundo as necessidades dos clientes. Queremos ir além das necessidades deles, ou seja, surpreendê-los em suas diversas experiências de negócios, uma conduta de trabalho que tem tido muito êxito já que servir e focar no cliente são nossas motivações. A edição de 2011 do Clube da Cana, a 16ª, mostra esse sucesso. Tivemos cerca de 480 participantes vindos dos principais grupos do País. A fórmula tem dado certo e a FMC acredita que diversificação, inovação constante, eficiência, colaboração e intercâmbio de conhecimento são princípios determinantes para o crescimento do mercado. Para nós, investir em tecnologias que aumentem produtividade e tragam conveniência são desafios presentes.O Clube da Cana faz parte de um extenso programa de relacionamento da FMC voltado ao cliente. Começou menor e ao longo dos anos foi tomando corpo, tornando-se um evento com temas relevantes aos clientes da indústria da cana. Tínhamos um encontro mais técnico até pouco tempo e mudamos totalmente o perfil do evento nos últimos anos. Assim, deixamos as discussões técnicas e treinamentos mais regionais, sendo que o papel do Clube da Cana foi o de dar o tom ao mercado. Neste ano teremos novamente o evento no final de outubro no Guarujá (SP).

 

Cana S.A. – E com o rali, o objetivo é o mesmo? Na edição deste ano deverá passar por quantos estados? 

Antonio Carlos Zem – O Giro Cana, o rali de regularidade promovido pela FMC tem está tendo mais uma edição este ano. Passamos um dia com o cliente no campo, avaliando diversas áreas e discutindo a fundo questões técnicas de fundamental importância para eles. Em 2012 passará por São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco e Alagoas.

 

Cana S.A. – Dentro desse contexto de liderança no setor sucroenergético a criação de uma embalagem ecológica para um dos produtos voltados para a cana, a “Green Jug” era quase um passo natural para a empresa? Outros produtos da empresas também poderão contar com embalagens produzidas a partir do etanol?

Antonio Carlos Zem – O objetivo da FMC em criar uma embalagem ecológica, proveniente do etanol, não é apenas fortalecer o mercado de cana, mas também reduzir o impacto no meio ambiente, usar mais conteúdo reciclado e avançar no uso de tecnologias inovadoras. Além disso, a proposta é reduzir a dependência de um recurso não renovável, o petróleo, matéria-prima que é mais utilizada na produção das embalagens tradicionais. Segundo estudos Preliminares de Ecoeficiência da Fundação Espaço ECO e Plastic Europe, para cada 1000 unidades de Bombona contendo 51% PE verde, é possível reduzir 2.815 kg de dióxido de carbano (CO2) equivalente. A Green Jug é igual às embalagens de defensivos tradicionais em relação às suas propriedades químicas, cor, peso, resistência e aparência. As novas embalagens FMC também obedecem às regras internacionais de produção e são certificadas pela Braskem com o selo verde “I’m Green”, que valida a procedência e composição dos polímeros. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com a empresa Unipac, e atende a todos os pré-requisitos para o envase de agroquímicos.

 

Cana S.A. – Quais as expectativas da FMC ao participar dos projetos Renovação e Agora, que são capitaneados pela Unica?

Antonio Carlos Zem – FMC se orgulha de fazer parte de um projeto como o Agora, que em se consolidou como uma das maiores iniciativas de comunicação no agronegócio nacional. Acreditamos na importância da geração de conteúdo sobre o setor sucroenergético a fim de desfazer mitos que envolvem a cadeia produtiva.



» Comentários

Etanolhotel 10